Conheça os cinco novos esportes que estarão nas próximas Olimpíadas

Texto por João Gimenez

Logo oficial dos Jogos Olímpicos 2020

A Olimpíada é um evento multiesportivo de escala global que ocorre de quatro em quatro anos. Seu principal símbolo, criado pelo francês Pierre de Frédy, é composto por cinco arcos entrelaçados, que representam os cincos continentes, e possui um nobre significado: todos os povos unidos pela paixão ao esporte de forma a reunir etnias, idiomas e culturas. A última edição ocorreu aqui no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro em 2016, quando conquistamos 19 medalhas no total. Os próximos Jogos Olímpicos ocorrem em Tokyo, em 2020. Essa será a XXXII edição e contará com uma novidade, ou melhor dizendo, cinco. Surf, Skate, Karatê, Escalada esportiva e Beisebol são as mais novas modalidades a serem disputadas olimpicamente. É indiscutível que esses esportes ganharão mais visibilidade participando do torneio.

Sob este mesmo prisma, no entanto, há uma face da história que não é apontada: será que a essência dessas modalidades pode ser perdida na competição? Esta é a preocupação trazida pelo aluno do 2° ano, Diogo Alessio, durante uma entrevista. Diogo possui contato com o Skate desde os cinco anos, mas pega firme e realiza manobras desde os dez. Quando perguntado se ele, nesta idade, pensava na possibilidade do Skate como modalidade olímpica, ele responde: “Olha, nem pensava muito nisso pra ser sincero. Para mim, o skate é muito de grupo, sabe? É um esporte em que não se vê uma agremiação como no futebol ou basquete. Possuem menos campeonatos, menos marcas envolvidas, marketing e até um menor apoio”. 

Ele finaliza a reflexão após responder sobre sua reação ao descobrir de tal novidade. “Eu vi como uma coisa boa, mas muitos skatistas, por incrível que pareça, não acham o mesmo. Eu também consigo entender que este fato pode tirar um pouco da essência e espírito do skate, que é o esporte livre e, além disso, tirar as características dos skatistas”, contou.

Enquanto isso, um dos surfistas do colégio, Lucas Ariano, se posiciona diferentemente sobre a questão. “O surf nunca perderá a sua essência. Não sei se você sabe, mas o surfe é conhecido desde muito tempo como esporte dos Deuses, pela sua essência e vibe e, por isso, acredito que ele nunca a perderá de jeito nenhum”. 

Lucas faz críticas sobre como o Surfe é visto pela maioria das pessoas. “Não estou falando que todas as pessoas são preconceituosas, mas infelizmente tem muito. Muitos taxam-nos como ‘maconheiros’. Acho que este sentimento de que todo surfista ‘é isso’ ou ‘aquilo’ deve diminuir com a ingressão do esporte nas Olimpíadas”, afirmou.

Os outros esportes têm se destacado também. O Karatê, além de ser popular no Brasil, possui medalhistas como Vinícius Figueira, Hernani Veríssimo, Izabel Cardoso, Sabrina Pereira e Carolaini Pereira dos Jogos Pan-Americanos de 2019 que ocorreu em Lima. Já o Beisebol, ainda que não faça parte do nosso dia-a-dia, também possui grandes nomes defendendo a nossa seleção. Um deles é o Pardinho que, com 16 anos, já recebia mais do que o Neymar nessa idade. Por fim, a escalada escalada esportiva conta com o velocista Paulo André de Oliveira, bi-medalhista de ouro na Universíada de Verão de 2019, em Nápoles.

Anúncios

Conheça a seleção que disputou a Copa do Mundo Feminina

Texto por João Vitor Gimenez

Elenco da seleção brasileira de futebol feminino (Foto: Divulgação)

O mês de junho marca o início da Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2019. Por conta da vitória triunfante contra a Colômbia por 3×0 na Copa América de 2018, a seleção brasileira garantiu seu lugar na oitava edição do campeonato mundial. A disputa pelo troféu, que teve seu início no último dia 07, conta com outras 23 equipes e é sediada na França.

A seleção feminina ainda não conquistou nenhum título mundial, mas coleciona diversos outros importantes troféus. Atualmente, ela é tri-campeã dos jogos Pan-Americanos e venceu todas as edições de 2003 até 2015. Apenas em torneios da Copa América, a equipe feminina conquistou sete títulos de campeã das oito vezes que a disputou. Além disso, ela alcançou, em 2007, a posição de vice-campeã mundial, após perder a final para a Alemanha por 2×0. A equipe é também bi-medalhista olímpica de prata, quando jogou em Atenas (2004) e em Pequim (2008).

Nesta seleção de futebol há uma jogadora, em especial, que passa instantaneamente pela cabeça de qualquer um: Marta Vieira da Silva. Marta atua em uma equipe estadunidense no estado da Flórida, em Orlando, chamado “Orlando Pride”. Ela é conhecida mundialmente pelas suas habilidades futebolísticas, que não passam despercebidas. Isso se deve ao fato da craque já ter sido eleita pela FIFA como a melhor jogadora do mundo seis vezes. Seu primeiro prêmio foi em 2006 e, no ano passado, conquista o sexto de sua carreira. Por conta disso, ela é a jogadora do Brasil com mais bolas de ouro, inclusive se comparada entre os homens.

Para aqueles que pensam que de realeza no Brasil temos apenas o Rei Pelé, está enganado: Marta é a jogadora brasileira que possui mais gols pela seleção de futebol entre as duas categorias, superando o próprio Pelé.

Marta comemora gol mostrando chuteira com símbolo de igualdade de gênero
(Foto: Jean-Paul Pelissier/Reuters)

Além da Marta, há também outras especialistas quando o assunto da vez é a bola. Um claro exemplo é a jogadora de futebol mais experiente a disputar um mundial: Miraildes Maciel Mota ou, como todos a conhecem, a Formiga. Com 41 anos de idade ela atua no PSG (Paris-Saint-Germain), na França, e disputa sua sétima edição da Copa do Mundo. Ela também é a única atleta a participar de todas as edições dos Jogos Olímpicos. Além disso, a jogadora é tricampeã dos Jogos Pan-Americanos e foi duas vezes vice-campeã olímpica.

Outra expert no assunto é a Cristiane Rozeira de Souza Silva, que possui 34 anos e joga pelo São Paulo F.C. Ao longo de sua carreira, ela tem conquistado marcos inesquecíveis. Nos anos de 2007 e 2008 foi eleita a terceira melhor jogadora de todo o mundo. Já em 2012, após marcar 14 gols, torna-se a maior artilheira do futebol feminino da história dos Jogos Olímpicos. Já na segunda rodada da fase de grupos desta Copa, Cristiane somou quatro gols, ficando em segundo no prêmio de artilheira.

Com todas as incríveis peças do elenco, o técnico dessa seleção, Vadão, tem um desafio a ser enfrentado e um sonho a se conquistar: enfrentar todas as equipes adversárias e, enfim, levantar a taça do primeiro título mundial brasileiro de futebol feminino.  

Artilheiros da Califórnia contra o lobo solitário de Toronto

Texto por Arthur Giangiulio

Foto: Best HQ Wallpapers

A série das finais da NBA (National Basketball Association) está empatada em 1 a 1, sendo o primeiro jogo vencido pelo Toronto Raptors e o segundo pelo Golden State Warriors, ambos no Canadá, no estádio do Raptors. No dia 5 de julho a disputa será na Califórnia, mais especificamente em Oakland, cidade do Golden State, onde serão realizados os jogos três e quatro.

A equipe do Golden State Warriors, liderada por alguns dos melhores jogadores da liga como Stephen Curry, Kevin Durant, Klay Thompson e Draymond Green, enfrenta o Toronto Raptors, que avançou para as finais depois de uma vitória mágica contra o Philadelphia 76ers com uma bola do astro da equipe, Kawhi Leonard, no estouro do cronômetro.

O Toronto Raptors chega na final com uma campanha considerada bem mais fraca se comparada a dos Warriors. Alguns dos melhores analistas do basquete estadunidense acreditam que o Golden State ganhará o tricampeonato seguido em quatro jogos (número mínimo possível para ganhar a série).

A equipe não se abala com esses comentários e deposita todas suas expectativas em Kawhi, considerado o melhor jogador da franquia. Leonard chegou nesta temporada em uma troca envolvendo o antigo astro de Toronto e, desde então, vem mudando a cara da franquia e jogando muito bem. Ele conta com ajuda de jogadores como Kyle Lowry e Pascal Siakam que também são importantes para auxiliá-lo na conquista do título que seria inédito para o time canadense.

Em relação ao Golden State, podemos destacar a distensão do músculo da panturrilha do craque Kevin Durant, na série passada contra a equipe do Portland Trail Blazers, que o afastou da parte inicial das finais. O pivô Demarcus Cousins também teve uma lesão no início dos playoffs, mas foi relacionado para os primeiros jogos, embora tenha tido menos minutos em quadra em função disso. Eles contam com os Splash Brothers, Stephen Curry e Klay Thompson, conhecidos dessa forma pela precisão nas bolas de três.

Os playoffs da NBA são melhores de sete jogos, ou seja, quem ganhar quatro partidas primeiro avança. Como Toronto teve uma campanha melhor que o Golden State na temporada regular, eles têm a vantagem de decidir a série na sua arena em um possível jogo sete.

A equipe da Califórnia tenta o tricampeonato seguido, ganhando em três dos últimos quatro anos, enquanto Toronto tenta acabar com a dinastia do Golden State. A final da NBA é o momento do ano mais esperado para o fã do esporte e com certeza será emocionante.

Barça é surpreendido com goleada fora de casa e Liverpool avança às finais da Liga dos Campeões

Texto por João Vitor Gimenez e Arthur Giangiulio

Georginio Wijnaldum sai do banco e marca dois gols no início do segundo tempo (Foto: Clive Brunskill/Getty Images)

O improvável aconteceu no estádio do Liverpool Football Club, o Anfield, no noroeste da Inglaterra, durante a Champions League. Após a derrota do time inglês na partida contra o Barcelona por 3×0, na Espanha, todos acreditavam saber qual das duas equipes avançaria no campeonato. A confirmação dependia do resultado do confronto em Liverpool.

A equipe catalã conta com nomes que marcaram a história do mundo futebolístico, como: Lionel Messi, Luis Suárez e, representando o Brasil, Philippe Coutinho. Por isso, além da dificuldade de reverter o placar para garantir a vitória, o fato do time adversário ser o catalão já era uma dificuldade a ser enfrentada.

O grupo inglês entra em campo e, ainda nos primeiros sete minutos de jogo, enfia a bola na rede. Já no segundo período, arremata três gols que permitiram que a partida garantisse sua vaga na final contra o Tottenham e entrasse para a história do clube.

Há quem diga que o principal jogador da equipe derrotada no último confronto, Lionel Messi, estivesse “apagado” e, portanto, seria cabível apelidá-lo, de acordo com o dicionário coloquial de futebol, de “pipoqueiro” (aquele que demonstra medo de disputar jogadas, de chutar ao gol etc.; acovardar-se) . O próprio Pedro Cabrita, aluno do 2º ano A e fã do Liverpool desde 2016, comenta que sua performance caiu muito desde o último jogo e afirma que o apelido não foge à realidade de sua performance: “No primeiro jogo, no Camp Nou, ele jogou muito bem. Sempre criando jogadas e mandando no time, sabe? Já neste último jogo, ele foi anulado pela defesa e não criou oportunidade de gol com chutes agressivos, então acaba sendo pipoqueiro sim” – comenta Pedro entusiasmado com a vitória.

No entanto, quando perguntado sobre o tal, Luiz Henrique Godinho, aluno do 3º ano A, se posiciona contra a afirmação e acrescenta que não acredita que o desempenho da estrela tenha sido o fator determinante para a derrota do Barça. Além disso, aponta falhas na performance do elenco: “O time não estava num dia bom. Piqué cometeu várias falhas, o meio campo estava muito fraco na marcação e, do mesmo jeito, o Messi foi pra cima e chamou a responsa, mas não conseguiu fazer o gol. Ele tentou e, pelo menos, não se intimidou com o jogo”.

Com o João Pedro Bezerra, do 2º ano A, o papo é diferente. “Eu acho que ele deixou bastante a desejar. Todos esperavam uma boa performance no jogo de volta. Com uma partida fora do normal no primeiro jogo, ele sumiu no segundo. Ainda assim, não acredito que pipoqueiro seja a palavra certa”. Mesmo que não seja torcedor do clube finalista, João demonstra ter uma paixão pelo seu treinador, Jürgen Klopp. “Eu acredito que, hoje, ele seja um dos maiores técnicos do mundo”. Bezerra finaliza dizendo que tem certeza que cada detalhe da partida teria sido pensado estrategicamente pelo treinador alemão: “A motivação dos jogadores, desde o início, se deu muito pelo que o Klopp, como técnico, passa”.

Em 25 de maio, a torcida inglesa celebrar o aniversário de 14 anos de vencedor da Liga dos Campeões de 04-05. A disputa ocorreu contra o time italiano, AC Milan, que era, até então, o único clube que conhecia o gosto de levar uma virada deste tamanho para a equipe inglesa num jogo de Champions. Entretanto, neste caso, o jogo era a final do campeonato e o elenco inglês começou o segundo tempo perdendo de 3×0. Ao final do tempo regular, o placar estava empatado 3×3, o que levou a equipe do Liverpool a vencer a partida nos pênaltis.  

LA Clippers bate de frente com Golden State Warriors e realiza uma virada histórica

Texto por João Vitor Gimenez

Jogadores do LA Clippers comemorando a vitória em cima do Golden State Warriors

O LA Clipers venceu, no dia 18 de abril, na segunda rodada da pós-temporada (playoffs), o conhecido por ser o melhor time da liga norte-americana de basquete (NBA). O Golden State Warriors ganhou, nas últimas quatro temporadas, três títulos de campeão, perdendo apenas para o Cleveland Cavaliers de 2016, onde atuavam as estrelas LeBron James e Kyrie Irving. Na temporada atual, os Warriors terminaram a fase regular em primeiro, enquanto os Clippers, em oitavo, o que lhes garantiu a última vaga nos playoffs.

A vitória contra este elenco por si só já é um grande feito, mas o que a equipe realizou naquela noite foi um marco histórico. Já no 3° quarto de jogo, o placar era de 94 x 63 para o Golden State. Com 31 pontos de vantagem, até o mais pessimista dos fãs acreditava que a equipe de São Francisco já havia decidido a partida. O aluno do 2° ano, fã do time que representa a cidade de Milwaukee do estado de Wisconsin, Guilherme Curi, afirmou: “Não esperava este resultado desde o começo, ainda mais quando o Golden State abriu uma vantagem de 30 pontos. Ninguém esperava”.

Junto com ele, o aluno Pedro Antonio Gonçalves, grande fã da franquia dos Warriors, quando perguntado se o resultado final da partida havia correspondido às suas expectativas, respondeu: “Na real, ninguém, nem os mais fãs da NBA, esperavam a virada dos Clippers”. Logo após, ele completa: “É surpreendente, para qualquer um que acompanha os jogos da liga, ver essa virada histórica logo em cima do Golden, com 4 All-Stars no time. Então, não é um feito que alguém consiga facilmente”.

O jogo começou às 23h30 (horário de Brasília). Por isso, durante o 3° quarto da partida, foram vistas muitas televisões sendo desligadas e até alguns fãs indo dormir. O próprio Guilherme fala que fez o mesmo: “Estava vendo o jogo e, quando vi que estava 30 pontos pro Golden, desliguei a televisão. Depois de um tempo, vi o placar pelo Instagram. Então, surpreendido, liguei a TV e vi os 3 minutos finais”. Pedro Antonio coloca, durante a entrevista, que a defesa do time derrotado “dormiu na marcação” e ainda elogiou jogadores da equipe vencedora. Com 19:30 minutos restantes num jogo de 48, o time de LA  foi um dos poucos que não dormiu naquela noite e entra para o livro dos recordes com a maior virada num jogo de pós-temporada.